8 dicas para lidar com o desemprego

Nunca se ouviu falar tanto de despedimentos e da taxa de desemprego como actualmente. Todos conhecemos alguém que se encontra numa situação destas e talvez possa até ser, infelizmente, o seu caso. Independentemente de ser um recém-licenciado ainda à procura do primeiro trabalho ou se perdeu recentemente o seu emprego, é preciso saber dar a volta à situação, por mais difícil e impossível que isso possa parecer.

  1. Depressão não. Numa situação de desemprego as emoções estão naturalmente à flor da pele, com sentimentos de culpa e de baixa auto-estima a dominar os seus dias. Como não vê nenhuma luz imediata ao fundo do túnel, pode parecer o fim do seu mundo, o que acaba por ser emocional e psicologicamente desgastante. É necessário mentalizar-se que esta é apenas uma fase, um obstáculo na sua carreira profissional que pode e vai ser ultrapassada. Deve evitar a tentação de se automedicar ou de recorrer a outro tipo de dependências para “esquecer” o que está a viver. Se sentir o autocontrole a fugir-lhe das mãos, marque uma consulta com um médico, psicólogo, psiquiatra ou até mesmo um profissional de coaching.
  2. Viver para vencer. Os dias em casa sucedem-se e não vê motivos nenhuns para tomar banho, arranjar-se e sair – não entre nesse ciclo vicioso! Faça questão de sair todos os dias: nem que seja para ir ao Centro de Emprego espreitar as novidades, tomar café com um amigo, visitar os pais ou simplesmente passear e espairecer um pouco. Não se desligue do mundo, nem das pessoas, porque é nesta altura que mais precisa delas – há que manter velhos contactos e estabelecer novos, estar atento às tendências dos mercados profissionais para fazer apostas acertadas.
  3. Procura diária. Procurar emprego é quase um trabalho full-time em si mesmo, ou seja, deve dedicar-se a esta actividade todos os dias. Pesquise uma diversidade de recursos: Internet, jornais, telefonemas para amigos e conhecidos. Nunca se sabe quando uma oportunidade pode surgir, por isso, procure não deixar escapar nenhuma. Adapte sempre o seu currículo e carta de apresentação ao anúncio em questão e, se o telefone não tocar, não desespere, nem desista. Mais tarde ou mais cedo, irá conseguir as tão desejadas entrevistas, para as quais deve estar preparado para impressionar.  
  4. Requer-se flexibilidade. Se a sua missão diária é eliminar o “des” de “desempregado”, saiba que, no mercado de hoje, exige-se uma boa dose de flexibilidade. A deslocação geográfica, a mudança de área profissional, aceitar um cargo abaixo das suas actuais qualificações e anteriores rendimentos pode fazer parte do seu próximo ponto de partida – esteja aberto a todo o tipo de oportunidades, nunca se sabe o que pode estar por de trás de cada porta. As cedências profissionais também têm o seu limite, por isso, é igualmente importante definir até onde pode e quer ir.
  5. Invista em si. Sabendo de antemão que vão existir dias melhores e dias piores, não aproveite os maus momentos para se lamentar e fazer-se de vítima. Não estamos a dizer que não seja uma fase terrível, mas antes que é algo que terá de aceitar e combater. Uma das melhores formas de o fazer é valorizar-se: manter-se a par da sua área profissional, estudar e frequentar cursos, mas também cuidar de si, física e espiritualmente. Se com o passar do tempo a idade o preocupa, veja o lado positivo – graças a essa idade tem uma experiência acumulada e invejável, que lhe coloca numa situação vantajosa face a outros candidatos.
  6. Tempo produtivo. Se é do tipo de pessoa que não consegue estar parado de braços cruzados, canalize toda essa energia para projectos rentáveis. Pode, por exemplo, criar o seu próprio part-time, algo que possa consolidar com a procura intensiva de um novo emprego: lance um blogue/site sobre a sua área profissional ou outra que lhe interesse particularmente e que esteja em franca expansão; dê explicações; dedique-se à culinária e venda bolos para cafés e restaurantes locais; disponibilize os seus serviços em regime de freelancer; rentabilize um hobby como a pintura de quadros ou a confecção de bijutaria; faça voluntariado – todas estas experiências serão de grande interesse contar a um potencial empregador quando ele o questionar acerca da forma como tem vivido a fase de desemprego.
  7. Saber poupar. São principalmente nas fases de desemprego que é preciso aprender ou dedicar-se mais seriamente a “apertar o cinto” e por um simples motivo: não sabe o tempo que demorará a encontrar um novo posto de trabalho, por isso, é preciso amealhar e assegurar um futuro que é, para já, incerto. Falamos de pequenos gestos diários como cancelar cartões de crédito, renegociar o spread do empréstimo da casa, vender um dos carros da família, comer sempre em casa, poupar no supermercado, no vestuário e calçado, nas contas da água, luz e gás podem traduzir-se em grandes poupanças no final do mês.
  8. Negócio próprio. Numa perspectiva completamente optimista, perder o emprego pode ser exactamente aquilo que precisava – a oportunidade de se entregar a uma vida nova. Dedicar-se a talentos escondidos ou nunca revelados, fazer coisas que sempre quis, mas para as quais não tinha tempo ou disponibilidade, trabalhar a partir de casa e dedicar mais tempo à família, abrir um negócio próprio ou um franchise são opções válidas que deve considerar. Afinal, o que tem a perder? Abre-se uma janela e a seguir pode abrir-se uma porta… directamente para o futuro com que sempre sonhou.
Gostou deste artigo?: