10 atitudes a evitar para garantir o sucesso profissional

Pés na secretária no emprego

Quer esteja prestes a começar um novo emprego, quer trabalhe no mesmo escritório há vários anos, existem 10 atitudes que tem de evitar no seu quotidiano profissional para garantir uma carreira saudável e recheada de êxitos. No fundo, estas são as regras de ouro que irão distinguir o sucesso profissional do suicido profissional! 

  1. Chegar atrasado. Adormecer, perder ou autocarro ou chegar atrasado ao escritório devido a algum imprevisto acontece a todos… ocasionalmente! Se isso se tornar um hábito, vai causar uma péssima impressão aos colegas que já vão estar a “dar no duro” quando decidir aparecer meia hora depois de toda a gente! E, claro, em pouco tempo vai chegar aos olhos ou aos ouvidos do seu chefe! Chegar atrasado sistematicamente emite uma imagem pouco profissional: não sabe gerir o seu tempo, é pouco organizado, não está suficientemente empenhado, não respeita as normas da empresa, nem os restantes colaboradores. Se gosta de sair a horas, terá de chegar a horas. Os horários foram feitos para se cumprirem. É tão simples quanto isso.
  2. Internet infinita. Não é o facto que todas as manhãs consulta o seu email pessoal que o vai tornar um péssimo profissional… mas passará a sê-lo se fizer isso de hora em hora, mostrando aos restantes colegas as anedotas ou as imagens femininas menos apropriadas que recebeu do seu melhor amigo! Limite a navegação na Internet ao estritamente profissional e quem diz a web, diz o Messenger e as conversas pessoais ao telemóvel ou, pior, no telefone fixo da empresa! Um ambiente profissional deve ser isso mesmo – se passar horas infinitas na Internet, a sua produtividade passa a ser não existente, para não falar numa imagem pouco ética, egoísta e até irritante. Como é que vai explicar isso à sua equipa de trabalho e ao seu chefe?
  3. Eticamente esquecido. Revelar detalhes sobre projectos confidenciais aos seus amigos, trocar informações com a concorrência, elogiar falsamente os colegas, falar mal da empresa e/ou do chefe em frente a outros colaboradores, apropriar-se das ideias dos outros e apresentá-las como suas, receber os louros por algo que não fez ou não fez sozinho, são coisas que qualquer profissional exemplar deve evitar à risca.
  4. Deixar para amanhã o que pode fazer hoje. A preguiça é inimiga número um de um profissional bem-sucedido. Para além de estar a ser pago para trabalhar, saiba que uma carreira é construída com base na iniciativa própria e não no limitar-se a fazer aquilo que lhe é exigido. Procure estar sempre um passo à frente, não tenha medo de ser criativo, inovador, de exigir mais de si e dos outros! Seja pró-activo, vá sempre mais longe – de uma maneira ou outra acabará por ser reconhecido e compensado.
  5. Central da fofoquice. Um tiro no pé profissional é deixar-se ir na conversa dos “fofoqueiros-mor” ou, pior, ser o rei ou a rainha da “fofiquice central” lá do escritório. Claro que, num ambiente de trabalho, haverá sempre algo a dizer sobre ele ou ela, sobre o fracasso deste ou daquele projecto, sobre a zanga entre as recepcionistas, sobre o estado em que fica o WC cada vez que o director de recursos humanos entra lá dentro… fomentar intrigas sobre as pessoas com as quais tem necessariamente de trabalhar é de muito mau tom e pode criar um péssimo ambiente, para não falar no facto de que lhe pode meter em muitos “maus lençóis”. Resista à tentação de entrar no circuito do “corte e costura” com um diplomático “tenho de fazer umas chamadas” ou “tenho de ir preparar a reunião de logo à tarde” e desabafe fora do escritório com um amigo ou familiar próximo. As paredes têm ouvidos… não quer que ouçam a sua voz com palavras pouco simpáticas pois não?
  6. Falta de comunicação. Hoje mais do que nunca, a comunicação é motor do mundo, pessoal e profissional. Para ser ouvido tem de saber fazer-se ouvir! No mundo do trabalho não se recomenda falar sem pensar muito bem naquilo que se vai dizer: esteja sempre preparado para reuniões ou mesmo conversas informais com as chefias. Fale de forma cuidada, pausadamente, recorrendo a apontamentos ou a uma lista com tópicos se for necessário. Mas também é preciso saber ouvir – para manter-se informado, para poder formular as suas próprias opiniões e saber expô-las eficazmente.
  7. Querer fazer tudo sozinho. OK, já sabemos que está a preparar-se para ganhar o prémio “Profissional do Ano” e aceitou todos os projectos que lhe propuseram sem pestanejar. Só que (há sempre um “mas”!), agora não sabe como é que se vai desenvencilhar, ainda para mais porque existem aspectos de alguns trabalhos que nem sequer percebe! Como com qualquer coisa na vida, precisa de aprender e saber dizer “não”, principalmente quando já tem o “prato cheio”; segundo, tem de delegar tarefas, nomeadamente se trabalha em equipa; terceiro, se não percebe alguma coisa ou não tem a certeza se está a seguir o caminho pretendido, procure conselhos de pessoas mais experientes. Pode pensar que está a ser fraco, mas muito pelo contrário: tem a força de vontade necessária para fazer as coisas correctas à primeira; e demonstra espírito de equipa, que é imprescindível no mundo do trabalho.
  8. Misturar trabalho e prazer. Começar e manter relações amorosas no local de trabalho é perigoso: a sua atenção passa a estar mais concentrada na outra pessoa do que no trabalho e isso vê-se; pode ficar com a fama que foi promovido ou que consegue sempre os melhores projectos porque anda “enrolado” com a directora de marketing, o que lhe retira credibilidade profissional; e se a relação acabar entretanto, terão de continuar a conviver e a trabalhar juntos diariamente, o que pode ser constrangedor. Atenção que algumas empresas até proíbem o envolvimento romântico entre colaboradores! Já diz o ditado: “trabalho é trabalho, conhaque é conhaque”!
  9. Simpatia à parte. Quer chegar ao topo e depressa, por isso decidiu não “passar confiança” a ninguém… faz mal! Há uma enorme diferença entre ser membro da “liga dos fofoqueiros” ou “graxista” e ser um colega de trabalho bem-disposto, acessível e com quem é um prazer trabalhar. É lógico que deve apostar sempre nesta segunda atitude. Alguém que não esboça um sorriso, não diz um bom dia, não mantém o contacto com os seus colegas de trabalho, vai emitir uma imagem fria, arrogante e convencida. Será posto de parte mais depressa do que imagina e na hora de querer voltar atrás será, muito provavelmente, tarde demais.
  10. Reagir mal às críticas do chefe. Por mais que tentamos, a vida na esfera profissional nem sempre corre às mil maravilhas e chega o momento que todos tememos: o dia em que somos chamados ao gabinete do director! Quando “levamos nas orelhas”, o nosso impulso imediato é reagir mal: lamentarmo-nos com problemas pessoais que nos estão a impedir de fazer melhor, choramos, não assumimos a responsabilidade, deitamos a culpa noutros colegas de trabalho. Escusado será dizer que nenhuma destas desculpas é aceitável. O melhor que tem a fazer nestas situações é escutar o seu chefe e no fim desculpar-se pelo sucedido, assegurar que não voltará a acontecer e prontificar-se a rectificar a situação, mesmo que isso signifique trabalhar até mais tarde nos próximos dois dias!
Gostou deste artigo?: